facebook

Mês: fevereiro 2018

A alface ou o alface – eis a questão

A alface ou o alface? Você já deve ter se deparado com essa dúvida em algum momento. Muito comum no preparo de saladas, essa hortaliça às vezes dá um nó na cabeça das pessoas na hora de escrever ou falar. Afinal, qual é a maneira correta de se referir a esse vegetal?

A dúvida acerca do gênero dessa palavra surge, sobretudo, porque ela termina em “e”, não possuindo vogal final que marque o feminino (a) ou o masculino (o). Na língua portuguesa existem muitas palavras terminadas em “e” que apresentam a mesma forma no masculino e no feminino, a exemplo de “o cliente/a cliente”, “o agente/a agente” e “o estudante/a estudante”. Contudo, essa regra não se aplica à palavra alface, que tem gênero feminino definido. Portanto, a maneira correta de escrever ou falar é “a alface”.


VEJA TAMBÉM

Tempero verde – cheiro de sabor e saúde

Saiba como é o uso de agrotóxicos no Brasil

Hortaliças – por que devo incluí-las na dieta?


A confusão sobre o gênero da alface também se deve ao fato de o conjunto de suas folhas ser um substantivo masculino, no caso, “o pé de alface”. Dessa maneira, para não errar, veja os exemplos a seguir.

  • Esta alface está murcha.
  • Na feira, o pé de alface está caro.

Na língua portuguesa, a palavra alface vem do árabe “al-khaç”, que nomeava uma erva que supostamente tinha propriedades medicinais. Veio substituir o termo latino “leituga” que, em outros idiomas, deu origem aos termos atuais que definem a alface (“lechuga” em espanhol e “lettuce” em inglês).

Crespa, Americana, Lisa, Mimosa, Roxa, Romana e Mini são os tipos de alface que estão disponíveis no mercado nacional para consumo. A hortaliça é uma das mais apreciadas pelos brasileiros, presente em diversos pratos e preparos. Destaca-se por ser a folhosa mais consumida no País.

Fonte: Hortifruti, 26 de fevereiro de 2016

Frutas, legumes e verduras: qual a diferença?

Quando precisamos apontar quais alimentos são classificados como frutas, legumes e verduras, é comum aparecerem dúvidas. O primeiro passo para que isso seja driblado é compreender que, de acordo com a definição adotada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), todos esses alimentos são hortaliças. Hortaliças são plantas herbáceas das quais uma ou mais partes são utilizadas como alimento na sua forma natural.

Devido à grande quantidade de espécies, foi necessário criar categorias para classificar as hortaliças. Foi dessa maneira que as divisões entre frutas, verduras e legumes surgiu.

Uma das classificações mais antigas e que vem sendo utilizada até hoje pela Associação Brasileira Das Centrais De Abastecimento (antigo Sistema Nacional de Centrais de Abastecimento) leva em consideração as partes utilizadas na alimentação humana.

Os tipos de hortaliças

Dessa forma, podemos dividir os vegetais de seguinte maneira:

Hortaliças herbáceas

Frutas legumes e verduras-alface

Aquelas cujas partes aproveitáveis situam-se acima do solo, sendo tenras e suculentas (alface, taioba, aspargo, aipo, couve-flor, alcachofra, etc.)


Hortaliças fruto

Frutas legumes e verduras-melancia

Aquelas em que se utiliza o fruto, verde ou maduro, todo ou em parte (melancia, pimentão, quiabo, ervilha, tomate, jiló, etc.)


Hortaliças tuberosas

Frutas legumes e verduras-cenoura

Aquelas cujas partes utilizáveis desenvolvem-se dentro do solo, (batata, cenoura, cará, inhame, cebola, alho, etc.)

 

Frutas, legumes e verduras: a classificação definitiva

Em uma divisão mais simples, podemos estabelecer que:

  • Verduras: são todas as hortaliças em que a parte comestível são as folhas, flores ou hastes
  • Legumes: são todas as hortaliças em que a parte comestível são os frutos ou as sementes
  • Raízes: são todas aquelas hortaliças em que a parte comestível se desenvolve abaixo do solo.

VEJA TAMBÉM

Saiba como reaproveitar os alimentos.

Qual a quantidade de hortaliças que devo incluir na minha dieta?


Vale destacar que essa divisão não é considerada oficial. É apenas a forma popular de como cada vegetal ficou conhecida pelos consumidores.  De acordo com o Manual da Horta, da engenheira agrônoma Helen Elisa C. R Bevilacqua, essa divisão surgiu baseada na forma de transporte dos alimentos.

“O critério para enquadrar as numerosas hortaliças cultivadas num ou noutro grupo, seria a adequação ou não à tradicional embalagem que é a caixa tipo “K” (de querosene, pois este produto era trazido, na época da Segunda Guerra, neste tipo de caixa), também conhecida como caixa tipo “tomate”. Assim, os “legumes” seriam aquelas hortaliças consideradas adaptadas a tal embalagem (hortaliças tuberosas e hortaliças frutos); todas as demais (hortaliças herbáceas) seriam simploriamente denominadas de “verduras”, mesmo que a cor verde não predomine”.

Entenda melhor o que são frutas, legumes e verduras.

Verduras

Verdura nada mais é do que folhagem comestível. Podem ser folhas, flores, plantas botões ou hastes.

Um aspecto interessante das verduras é que elas possuem baixo teor de carboidratos e calorias, além de apresentarem vitaminas e minerais variados. Dessa forma, são ótimas opções para quem deseja investir em uma alimentação saudável.

A escolha e o armazenamento requerem atenção especial: como são alimentos de pouca durabilidade é importante verificar a sua qualidade e cortá-las apenas na hora do consumo.

 

Legumes

Os legumes são vegetais que possuem frutos comestíveis; Esse podem ser desenvolvidos na parte exterior ou abaixo da terra, mesmo que apenas as folhas fique expostas.

Podem ser consumidos de diversas formas: crus, cozidos, fritos, no vapor, entre outros.

Os legumes apresentam uma maior quantidade de carboidratos do que as verduras.  Alguns alimentos dessa categoria, inclusive, podem chegar até a 20% de carboidratos.

 

Mas e as frutas?

Com a divisão apresentada acima, temos uma categoria que não aparece destacada: as frutas. Isso ocorre porque sua classificação foi estabelecida popularmente e não de maneira técnica. Assim, os frutos (que se enquadram na divisão dos legumes) doces ou cítricos, são definidos como frutas.

Ou seja, pode-se dizer que frutas são legumes adocicados ou cítricos.

Esse tipo de alimento apresenta em sua composição diversas vitaminas  , fibras, carboidratos (glicose, frutose, sacarose, amido) e minerais.

Na hora do consumo, prefira frutas frescas, sem manchas ou batimentos que alteram suas propriedades.

Por fim, vale lembrar que legumes, verduras, raízes e frutas são as divisões mais amplas das hortaliças. É possível ir além e classificar dentro dessas categorias.

 

Uma outra divisão

Além da classificação em frutas, legumes e verduras, as plantas também podem ser divididas de acordo com sua classificação botânica. Essa classificação faz mais sentido para quem produz hortaliças, mas como é possível encontrar alguns desses termos na hora da comercialização, nada melhor do que conhecer um pouco mais.

Segundo a classificação botânica, as hortaliças podem ser:

  • Asteraceas (Chicoracea): Alface, Alcachofra, Almeirão, Chicoria
  • Crucíferas:Brócolis, Couve, Couve-Flor, Nabo, Rabanete.
  • Cucurbitáceas: Abóbora, Melancia, Melão, Pepino.
  • Leguminosas: Ervilha, Fava, Feijão.
  • Liliáceas: Alho, Alho poro, Cebola, Cebolinho
  • Quenopodiáceas: Acelga, Beterraba, Espinafre.
  • Solanáceas: Batata, Beringela, Pimento, Tomate.
  • Umbelíferas: Aipo, Cenoura, Cherovia.

E você? Já conhecia todas essas divisões? Conte para gente no Facebook

 

Fonte: Hortifruti, 23 de fevereiro de 2018

Exagerou? Confira cinco alimentos que podem curar a ressaca

O cenário é o mesmo. Celebração, alegria, comida e bebida. O resultado também não muda: após exagerar no consumo de álcool e de comidas gordurosas, o organismo sofre as consequências: dor de cabeça, náuseas, fadiga e mau humor. Cientificamente chamada de veisalgia (do norueguês kveis, algo como “desassossego depois do descomedimento”, com a terminação grega “algia”, que significa “dor”), a ressaca é uma das sensações mais desagradáveis de se vivenciar.  Apesar de devastadora, os sintomas da ressaca são relativamente fáceis de serem combatidos. Uma das maneiras de fazer isso é ingerindo alimentos que possuem características e nutrientes que diminuem o mal estar. Confira quais são aqueles que se destacam no combate aos sintomas da ressaca.

Água de coco

Todo mundo sabe que depois da noitada é importante se reidratar. A água de coco é ideal para isso pois, além de um repositor hídrico natural, sua composição contém potássio, sódio e pequena quantidade de carboidratos. Como se não bastasse, ainda é isenta de gordura, para que você se recupere da ressaca e ainda mantenha a forma.

Banana

Por ser rica em potássio, a banana é uma ótima opção para os dias de ressaca. O alto consumo de álcool desidrata o organismo, que acaba perdendo o mineral em grande quantidade. A banana ajuda a reequilibrar a quantidade ideal de potássio no sangue.

Melão

Por ser formado por 90% de água, o melão ajuda na reidratação e na eliminação de toxinas. Além de, assim como a banana, ser rico em potássio.  Adicionalmente, suas fibras auxiliam na recuperação intestinal.

Pera

Rica em açúcares e fibras, a pera ajuda a acelerar o processo da eliminação do álcool do organismo. Além disso, estudo da Agência Científica da Austrália (CSIRO) sugere que a pera não só ajuda a reduzir as consequências desagradáveis que surgem no dia seguinte a uma bebedeira, como também reduz os níveis de álcool no sangue no momento do consumo. Esse benefício, porém, só é obtido se a fruta for ingerida antes do consumo de álcool.

Sucos cítricos

Os alimentos com sabor ácido são nossos melhores amigos quando os sintomas são secura na boca, náuseas, indigestão. Neste sentido o suco de limão e de maracujá se destacam como repositores  hídricos que, ainda por cima, contém potássio e vitamina C em sua composição.

Com essas dicas fica mais fácil se livrar da ressaca. Abasteça a geladeira e modere na ingestão de bebidas alcoólicas e comidas gordurosas.

Fonte: Redação Hortifruti, 15 de fevereiro de 2018.

Sem graça? Apesar da fama, Chuchu é versátil e nutritivo

Considerado por muitos um alimento sem graça, o chuchu já virou sinônimo de expressões populares e piadas por conta dessa (má) fama. Ao nos referimos a algo insosso, é comum a comparação com a hortaliça. E tem mais, a facilidade de cultivo do chuchu é motivo para metáforas sobre promiscuidade. Apesar disso, a hortaliça tem diversos benefícios e é uma ótima opção para quem precisa de um alimento versátil e saudável.

O chuchuzeiro é uma planta conhecida há séculos. De origem mexicana, era cultivado pelos antigos Astecas que o chamavam Chayotl e tinha grande destaque entre as hortaliças da época. Na mesma família do chuchu estão incluídos outros velhos conhecidos como o melão, a melancia, as abóboras, as morangas, o pepino e muitos outros. Seu nome científico é Sechium edule e, assim como o tomate, está na categoria de fruto. De sabor delicado (nada sem graça), o chuchu tem fácil cultivo.

Conhecer as propriedades do chuchu pode ser o empurrão que faltava para você incluí-lo na sua alimentação diária.

Propriedades do chuchu

Quem deseja perder alguns quilinhos, encontra no chuchu um grande aliado. Isso porque, a hortaliça é rica em água e possui poucas calorias. Para se ter uma ideia, cada 100 gramas de chuchu possuem apenas 19 calorias.

A hortaliça também contém fibras (1,0g a cada 100 gramas) que, aliadas a uma alimentação diversificada, melhoram o funcionamento do intestino.  O chuchu possui também vitaminas e minerais.

Outro ponto que o favorece é o fato de ser uma hortaliça muito versátil. Pode ser consumido frio, em uma salada refrescante ideal para o verão. Nesse caso, capriche nas ervas aromáticas para realçar o sabor e frescor.  Se a opção for fazê-lo quente, ele pode ser refogado sozinho ou associado a outras hortaliças. Receitas de sopas e cremes, quentes ou frios, também lançam mão dele em diversos preparos.

Finalmente, talvez você não saiba, mas provavelmente já brigou para roubar chuchu da cobertura do bolo. Isso porque, além da textura adequada, ele pode adquirir o sabor que o confeiteiro quer dar a ele. Para fazê-lo se passar por cereja, cozinhe-o até que fique “al dente” e em seguida retire bolinhas com um instrumento chamado “boleador”. Depois cloque as bolinhas em água com cal virgem culinária (serve para deixar a comida firme, mas macia) e jogue-as em calda quente de groselha.

Fonte: Hortifruti, 08 de dezembro de 2017

Temperos frescos sempre à mão

Um ponto de exclamação na alimentação! Assim podemos descrever os temperos. Uma combinação de hortaliças muda completamente o sabor do seu prato e garante diversidade na cozinha sem muito esforço. Entretanto, quem nunca se viu na situação de já estar cozinhando e se dar conta que não comprou determinado tempero? Uma ótima alternativa para isso é criar uma mini-horta em sua casa ou apartamento.

Engana-se quem acredita que é preciso ter muito espaço para poder cultivar um jardim de hortaliças. Basta luz, quantidade de água adequada e deixar o agricultor que está dentro de você florescer. Dependendo da forma como você monta a horta, ela pode até se transformar em um elemento de decoração.

Os materiais para a “construção” de uma horta podem ser facilmente encontrados ou mesmo reaproveitados. É possível, por exemplo, utilizar vasos, caixas e até mesmo garrafas. Depois é só comprar terra adubada e não esquecer de regar as plantas de maneira adequada.

Abaixo selecionamos três hortaliças que são de fácil cultivo e que garantem um sabor a mais aos seus pratos. Cultive essa ideia!

ALECRIM

Hortaliça de cultivo fácil, o alecrim é perfeito para quem costuma se esquecer de regar as plantas: pode ficar até três dias sem ser molhado. Mas atenção, isso só vale para depois de a planta estar estabelecida. No início, regue todos os dias.

MANJERICÃO

Ideal para locais quentes, o manjericão precisa ser cultivado em lugares com temperatura superior a 18°C. Outro ponto importante é que essa hortaliça precisa de pelo menos três horas de exposição à luz do sol por dia.

PIMENTA

A pimenta deve ter um vaso só para ela pois precisa de espaço para suas raízes. Além disso, a luminosidade tem papel fundamental em seu desenvolvimento. Apesar de suportar bem o calor, não deve ser cultivada em locais que ultrapassem os 34°C.  Existem muitos tipos de pimenta e algumas apresentam certas particularidades. A Jalapeño, por exemplo, precisa de umidade, já a Habenero pode ser cultivada em climas secos.

Que tal começar a sua horta? Quer saber sobre alguma outra hortaliça? Mande sua dúvida para nós!

Fonte: Hortifruti, 05 de fevereiro de 2018