facebook
Voltar para a lista

Açaí: do norte do País para o mundo!

14/03/2018

Açaí

Ela chegou de mansinho mas, com o tempo, o açaí ganhou diversos adeptos. Hoje, a fruta que veio lá da Amazônia, é uma verdadeira febre, mesmo bem longe de sua região de origem: o Norte brasileiro. O açaí ganhou fama quando deixou de ser conhecido apenas como alimento básico das populações ribeirinhas do norte do Brasil e ganhou novos preparos nas demais regiões do País.

Nos estados do Amazonas e do Pará, além dos outros da região amazônica, o açaí é consumido principalmente acompanhado de farinha de tapioca, peixes e camarão, ou em forma de suco e vinho. O pirão da fruta também ganha lugar na mesa, assim como a geleia, sorvetes e doces. Nas demais regiões, a fruta faz sucesso quando misturada com granola e guaraná.

Além disso, o açaí tem grande importância econômica, pois a bebida obtida a partir de seus frutos tem consumo regional elevado, e a exportação tem aumentado muito nos últimos anos.


SAIBA MAIS

O Brasil é um grande produtor de açaí?

Açaí é base para corante que facilita cirurgias oculares


O açaizeiro, planta que dá origem à fruta é uma palmeira que pode atingir até 25 m de altura, possui folhas grandes, finamente recortadas em tiras e de coloração verde-escura. Suas flores são pequenas, agrupadas em grandes cachos pendentes e de coloração amarelada. Aparecem, geralmente, entre setembro e janeiro.

Cada palmeira produz de três a quatro cachos por ano, com 3 a 6 kg de frutos. Quando maduros, os frutos que aparecem em cachos são de coloração violácea, quase negra. São produzidos durante boa parte do ano, porém com maior intensidade nos meses de julho a dezembro.

 

Propriedades nutricionais do açaí

Quando o açaí passou a ser consumido nas mais diferentes cidades do Brasil, ele ganhou o status de alimento fitness. De acordo com a Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (Taco), cada 100 gramas da polpa congelada possuem 0,8 gramas de proteína, 3,9g de lipídios, 6,2g de carboidratos, 2,6g de fibras alimentares e 58 kcal.

Apresenta em sua composição antocianinas e ácidos graxos essenciais. Adicionalmente, é um alimento considerado rico nos minerais cálcio e potássio. De acordo com o estudo “Valor nutricional da polpa de açaí”, 200 gramas da polpa desidratada do fruto são responsáveis por 38,3% das necessidades diárias de potássio do organismo. A mesma quantidade satisfaz 66% da ingestão indicada de cálcio.

Apesar de ser considerado um alimento calórico, um recente estudo publicado pelo The American Journal of Clinical Nutrition mostrou que o Açaí induz melhoras significativas na função vascular em indivíduos com excesso de peso, podendo assim, reduzir o risco de um eventual imprevisto cardiovascular.

 

Você sabia? Do açaí, tudo se aproveita!

Do açaizeiro, palmeira que dá origem ao açaí, tudo é aproveitável:  frutos, folhas, raízes, palmito, tronco e cachos frutíferos.

O palmito de açaí é largamente comercializado. A maneira do tronco, por sua vez, é usada em construções rústicas e as folhas nas coberturas das casas. Já as fibras das folhas são utilizadas para tecer chapéus, esteiras e cestas. Os cachos secos, por fim, são aproveitados como vassouras.

As populações ribeirinhas do rio Amazonas aproveitam fazem dessa palmeira uma fonte de renda e a base da alimentação de suas famílias praticamente ao longo de todo o ano.

 

Conheça a lenda do açaí

A palavra açaí tem origem indígena e significa “fruto que chora”. Conta-se que na região onde hoje está a cidade de Belém do Pará existia uma tribo muito numerosa. Com o passar do tempo, o grupo foi ficando tão grande que os alimentos, mesmo sendo fartos na região, começaram a faltar.

Foi então que o cacique Itaki, líder da tribo, tomou uma decisão forte e cruel. Para que não faltasse alimento aos mais velhos, Itaki resolveu que, a partir daquele dia, todas as crianças que nascessem seriam sacrificadas. Até mesmo, Iaçã, filha do cacique foi obrigada a sacrificar sua bebê. Desesperada, Iaçã chorava todas as noites de saudades da filha.

Foi então que, sensibilizado com a dor de Iaçã, o deus indígena Tupã resolveu intervir. Em uma noite de lua cheia, a índia ouviu do lado de fora de sua oca o choro de uma criança. Ao olhar, viu que lá estava sua linda filhinha, sorridente, ao lado de uma palmeira. Iaçã correu rumo à palmeira e abraçou a filha que, misteriosamente, desapareceu no abraço da mãe. Inconsolável, Iaçã chorou a noite inteira, até desfalecer.

No dia seguinte, Iaçã foi encontrada abraçada ao tronco da palmeira. No rosto, a moça triste trazia um semblante sereno e sorridente. Seus olhos negros fitavam o alto da palmeira, que estava salpicada de pequenos frutos escuros.

Interpretando a cena como uma bendição de Tupã, Itaki mandou apanhar os frutos. Com eles, foi possível fazer um forte e nutritivo suco avermelhado que dava para alimentar todo o povo de Itaki. Em homenagem à filha, Itaki deu à palmeira generosa o nome de Açaí, Iaçã ao contrário.

 

Fonte: Hortifruti, 14 de março de 2018

Flores comestíveis

Flores comestíveis: 10 opções para deixar suas refeições mais bonitas (e gostosas)

Notícia

Flores comestíveis dão aroma e sabor aos preparos culinários. Conheça dez opções e se jogue na cozinha ...

07/11/2018

Cacau: o ouro negro ressurge no cenário brasileiro

Notícia

Vedete da Páscoa, o cacau, matéria-prima do chocolate, ressurge no mercado nacional apesar das dificuldades de cultivo ...

29/03/2018

Dendê

Dendê: conheça a palmeira que conquistou o mundo com seus óleos

Notícia

Que soja que nada! É do dendê o óleo mais produzido e consumido do mundo. Descubra o porquê desse protagonismo! ...

20/06/2018