facebook
Voltar para a lista

Conheça a Pitaya, a fruta do dragão

27/03/2019

Pitaya

Pitaya, a fruta do dragão. É com esse nome sugestivo que essa espécie tropical ganhou notoriedade. Entretanto, muito além de suas características exóticas, a pitaya é uma fruta que merece destaque na mesa e no paladar.

Apesar da alcunha de “fruta de dragão” fazer referência à Ásia, a fruta é originária da América Central. Contudo, hoje em dia, já é possível encontrá-la por toda América Tropical. No Brasil, porém, seu consumo ainda não é difundido e ela continua sendo conhecida como uma fruta exótica.

De acordo a Enciclopédia Britânica, seu nome originou-se da palavra pitahaya, o que reporta a uma civilização pré-colombiana que habitava algumas ilhas da América Central, os Tainos, e tem por significado: fruta escamosa.


Não existe uma padronização da grafia do nome da fruta. Em alguns lugares é escrito pitaya e em outro pitaia. As duas grafias estão corretas.


Por fora, de fato, a aparência da fruta lembra uma escama. O interior, contudo, que pode ser branco ou vermelho com pintinhas pretas, tem aspecto cremoso. Esse visual surpreendente faz com que ela seja também utilizada como planta ornamental.

No Brasil, a produção da fruta ainda é incipiente. Tem destaque a pitaya vermelha cultivada no interior de São Paulo. Exatamente por estar disponível em poucas regiões, o mercado da pitaya tende a crescer se a fruta cair no gosto popular do brasileiro. Ficou interessado? Venha conosco que a gente te conta mais sobre a Pitaya.  

A pitaya no Brasil

O cultivo da Pitaya no País é bem recente. Os primeiros registros da produção comercial datam do início da década de 2000 na cidade de Itajobi interior do estado de São Paulo. Hoje, além de São Paulo, já é possível encontrar cultivos comerciais em:

  • Ceará,
  • Mato Grosso do Sul,
  • Minas Gerais,
  • Paraná,
  • Pernambuco,
  • Rio Grande do Norte,
  • Santa Catarina.

De acordo com dados do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), a comercialização da fruta começou em 2005 no CEASA Rio de Janeiro (Unidade Grande Rio).  

Conheça os três tipos de pitaya

São chamados de pitaya todos os frutos de plantas das espécies de cactos epífitos dos gêneros Hylocereus e Selenicereus. Esses frutos podem ser encontrados em três variedades comestíveis

Pitaya Branca

Pitaya brancaSeu nome científico é Hylocereus undatus. É branca por dentro com a casca rosada.


Pitaya Amarela

Pitaya amarelaCom o nome científico de Hylocereus megalanthus, a variedade amarela apresenta casca amarelada e interior branco. É muito comum na Colômbia.


Pitaya Vermelha

Pitaya vermelhaCom o nome científico de Hylocereus polyrhizus, a pitaya vermelha possui a casca rosa e a polpa avermelhada.

Em comum todas as variedades apresentam um exterior escamoso e sabor doce e suave. Há quem diga que o gosto lembra o do kiwi e o do melão. Sua polpa representa quase 90% do fruto, apresentando um alto rendimento. Podem ser consumidas in natura ou em produtos industrializados como sorvetes, sucos e geleias, por exemplo.


VEJA TAMBÉM

Melão produzido no Brasil é mais ecologicamente sustentável

Você conhece as frutas tropicais tipo exportação do Brasil?


Características nutricionais da fruta

Por ser uma fruta exótica que só recentemente tem ganhado popularidade, as informações nutricionais das pitayas não são fáceis de encontrar. Entretanto alguns estudos já traçaram um perfil nutricional da fruta.

A maioria das pesquisas se concentra nas pitayas branca e vermelha. De acordo com um estudo desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), ambas variedades apresentam boas quantidades de fibras e baixo teor de lipídeos e proteínas.

As duas também apresentam boas quantidades de vitamina C, com uma leve vantagem para a variedade vermelha. Além disso, pesquisadores da Universidade Federal de Lavras, apotaram que a pitaya vermelha apresentou o maior potencial antioxidante, que podem atrasar ou inibir o envelhecimento das células.

Levando em consideração essas pesquisas sobre a fruta, é possível afirmar que a pitaya possui uma boa composição nutricional, com relevância no aporte de vitaminas e minerais. Qualquer que seja a variedade que escolhida, a fruta do dragão é uma ótima opção para quem busca uma alimentação saudável.


Uma tese da Universidade Federal do Paraná apontou ainda que, além da fruta, o valor energético dos caules da pitaya também tem sido estudado. Eles podem ser considerados como superiores ao de algumas verduras comuns, como a cenoura e a alface, e têm conteúdo de ferro similar ao espinafre cru.


Pitaya ajuda a emagrecer?

Assim como todas as frutas, a pitaya possui baixo valor calórico. Ainda que possamos levar em consideração seu alto teor de fibras, associar um emagrecimento ao consumo de uma fruta específica seria equivocado. De acordo com a nutricionista Sueli Longo, não existe alimento mágico.

Sueli Longo é nutricionista, especialista em nutrição e esporte e mestre em comunicação social. "Nenhum alimento sozinho engorda e nenhum alimento pode ser considerado um emagrecedor."
Sueli Longo é nutricionista, especialista em nutrição e esporte e mestre em comunicação social.

Para quem busca perder peso, o ideal é fazer uma dieta equilibrada, comendo de forma mais variada possível, contemplando a recomendação diária de 400 gramas de frutas, legumes e verduras por dia.

Como armazenar e consumir

Se você está doido para consumir essa fruta tão diferente, fique atento, alguns cuidados são necessários. A casca da fruta merece uma atenção especial. Deve ser firme e não apresentar nenhum machucado. Se a coloração estiver esverdeada, sem brilho, ela ainda não está madura. Por outro lado, se a casca estiver amarelada e a polpa soltando líquidos, pode significar que a fruta passou do ponto.

Na hora de armazenar, prefira guardar a fruta inteira, sem partir. Mantenha a em local seco e fresco e verifique o amadurecimento antes do consumo. Na geladeira, a fruta pode durar até três dias Se seu objetivo for guardar por um tempo maior, prefira congelar a polpa. Dessa forma, a fruta pode ser utiliza até três meses depois de processada.

 

Fonte: Hortifruti, 27 de março de 2019

Milho

Milho: por que devo colocá-lo na dieta?

Notícia

Se você ainda tem alguma dúvida de que o milho é uma excelente opção para a alimentação da sua família, não deixe de ler esse artigo. Milho é tudo de bom ...

04/12/2018

Cenário Hortifruti Brasil 2018

Relatório Cenário Hortifruti Brasil 2018 mostra que geração de empregos é destaque

Notícia

Estudo inédito revela que o cultivo de frutas e hortaliças gera, em média, 25 postos de trabalho a cada 10 hectares (ha). Para a cultura da soja, um emprego é gerado a cada 10 ha ...

31/10/2018

Sustentabilidade e hortaliças: uma combinação possível

Notícia

Livro da Embrapa prioriza a ciência em discussão sobre a sustentabilidade da horticultura no Brasil ...

23/10/2017