facebook
Voltar para a lista

Temperos naturais mudaram o mundo e dão sabor à vida

Quando se fala em temperos naturais, quais são os primeiros produtos  que vêm à sua cabeça? Talvez alho e cebola? Ou alguma erva como salsinha e cebolinha? São muitas as opções de temperos naturais que podem ser utilizados em nossa comida. 

Dessa forma, temperos naturais são oriundos das plantas e, também, uma excelente forma de diminuir a quantidade de sal na comida sem abrir mão do sabor. Afinal, o consumo excessivo de sal pode prejudicar o bom funcionamento do organismo, levando a doenças renais e cardiovasculares, por exemplo.


Vale destacar ainda que a Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelece que o consumo ideal de sal é cinco gramas diárias, muito abaixo da média brasileira que é de 12 gramas/dia. Mudar esse cenário é fundamental para garantir uma alimentação equilibrada e, para isso, usar temperos naturais pode ser aquilo que faltava para esquecer de vez o excesso de sal.


O mundo se “expandiu” por causa dos temperos naturais

Um ponto de exclamação na alimentação! Assim podemos descrever os temperos. Uma combinação de hortaliças muda completamente o sabor do seu prato e garante diversidade na cozinha sem muito esforço.  E o amor pelos temperos naturais não é recente.

Já faz muito tempo que a humanidade deseja comida mais saborosa e apetitosa. Assim, a busca por temperos e especiarias promoveu grandes navegações, marcando importantes momentos da história. 

Os temperos e especiarias realmente mudaram o mundo. Isso aconteceu pelo menos desde o século XI, quando a luta entre europeus e muçulmanos pela disputa da Terra Santa deu origem às Cruzadas. Até a vertente de que o Brasil foi “descoberto”, no século XVI, devido às viagens europeias para adquirir esses produtos nos foi contada por muito tempo.

Anos antes desse “descobrimento” criou-se a “rota das especiarias”, onde os árabes dominavam esse percurso, cruzando o Oriente Médio e a Europa para comercializar temperos vindos da Índia. O centro de todo esse comércio era Veneza, na Itália, que distribuía os produtos por toda a Europa.

Essa centralização fez com que o preço dos temperos e especiarias subisse muito. Com isso, Portugal resolveu também entrar nesse mercado e começou a navegar rumo às Índias buscar os produtos. O desfecho você sabe qual foi.

Hortaliças também são temperos naturais

Você sabia que diversas hortaliças podem ser usadas como temperos naturais? Muitas pessoas acreditam que apenas os condimentos em pó podem ser classificados como temperos, mas isso não é verdade. Folhas como o manjericão e o próprio alho, por exemplo, dão um toque todo especial aos preparos.


SAIBA MAIS

Descubra se cebolinha, cebolinha-francesa e cebolinho são a mesma coisa!

Quais são os tipos de hortaliças e as mais consumidas no Brasil?


Tipos de temperos naturais

Segundo o especialista em especiarias Nelo Linguanotto, existem categorias diferentes para classificar esses materiais que mudam o sabor dos alimentos. Para entender melhor, conheça a classificação dos ingredientes mais utilizados para dar sabor aos alimentos:

  • Ervas: são partes frescas das plantas, como folhas e flores. Exemplo: salsinha, coentro, cebolinha, manjericão.
  • Especiarias: são as sementes e cascas, como o cominho, pimenta do reino, canela etc.
  • Tempero: é uma mistura de ervas e especiarias. Exemplo: zatar, curry, tahine etc.

temperos

Como usar os temperos naturais

Não existe uma regra rígida sobre como utilizar esses temperos: tudo varia de acordo com o paladar e o olfato de quem prepara e/ou vai consumir o alimento. Por isso, se jogue na cozinha e descubra qual combinação faz mais sentido para você.


VEJA TAMBÉM

Raízes comestíveis, tubérculos e bulbo: é tudo a mesma coisa?

Hortifrutis: 2021 é o ano internacional desses alimentos

Preservação da água: prática comum de quem produz hortifruti


Explore os diferentes sabores e aromas e pense em como você pode mistura-los. Nesse sentido, cada tempero tem uma característica que pode mudar completamente o preparo. Existem os picantes, os naturalmente adocicados, os que dão cor. Enfim, são muitas possibilidades.

Essas características fazem toda a diferença na hora de cozinhar. Por exemplo, temperos naturalmente adocicados como a baunilha e a canela combinam com preparações doces, bolos e compotas. Também podem ser utilizados em molhos e guisados. Já as opções picantes geralmente são adicionadas em pratos salgados e que pedem mais potência para o seu sabor.

Lucas Cicolin, participante do maior reality culinário do Brasil,  preparou algumas dicas para os leitores do saber hortifruti:

Lucas Cicolin "Um combinado clássico para frango é a mistura de cebolinha e salsinha, basta lavar, secar e cortar essas hortaliças. Esse tempero ainda pode ser guardado congelado que o sabor não irá se perder."
Lucas Cicolin - Participante do maior reality culinário do Brasil

Segundo Lucas, a mistura de páprica, sal, alho e pimenta também vai muito bem com o frango. Para porco e carne bovina a dica é:

Lucas Cicolin "Carnes vermelhas combinam muito bem com a mistura de cominho, sal e pimenta. Enquanto a carne do porco é realçada com a combinação de pimenta, alecrim e alho."
Lucas Cicolin - Participante do maior reality culinário do Brasil

Armazenando os temperos

Na hora de guardar, é importante saber que o armazenamento e a conservação dos temperos naturais exercem papel fundamental na sua característica:

  • Guarde as ervas, especiarias e misturas em locais frescos e secos. Para aqueles comprados em pacotinhos, o ideal é retirar da embalagem e colocar em potes de vidro. 
  • Já as ervas frescas devem ser guardadas em geladeira por até três dias e não devem ser armazenadas úmidas.

Dica: Antes de usar um tempero, utilize o olfato: se o cheiro estiver apagado ou não estiver fresco, está velho e é melhor descartar do que tentar usar.

armazenamento de temperos

Temperos naturais para plantar

Uma ótima ideia para quem gosta de cozinhar é ter uma mini horta de temperos em casa ou no apartamento. E não é necessário muito espaço para cultivar um jardim com essas hortaliças.

Leandro Araújo "No campo o cultivo do alho também é feito de forma manual e individual, com o que chamamos de alho semente. "
Leandro Araújo - Engenheiro agrônomo

É preciso ter luz, quantidade de água adequada e deixar o agricultor que está dentro de você crescer. 

Os materiais para a “construção” de uma horta podem ser facilmente encontrados – na floricultura mais perto de você ou até mesmo em alguns mercados. 

Além disso, é possível aproveitar alguns itens comuns em nossas casas, por exemplo, utilizar vasos, caixas e até mesmo garrafas. Adicione terra adubada, coloque as sementes ou mudas de sua preferência, não esqueça de regar as plantas de maneira adequada e cuide das plantas retirando os insetos, galhos mortos e aquelas plantinhas invasoras.

Abaixo, segue algumas dicas para o cultivo de alecrim, manjericão e pimenta:

Alecrim

O alecrim é uma hortaliça de cultivo fácil, é perfeito para quem costuma se esquecer de regar as plantas: pode ficar até três dias sem ser molhado. Mas atenção, isso só vale para depois de a planta estar estabelecida. No início, regue todos os dias.

Manjericão

Essa hortaliça é ideal para locais quentes, pois o manjericão precisa ser cultivado em lugares com temperatura superior a 18°C. Outro ponto importante é que essa planta precisa de pelo menos três horas de exposição à luz do sol por dia.

Pimenta

A pimenta deve ter um vaso só para ela pois precisa de espaço para suas raízes. Além disso, a luminosidade tem papel fundamental em seu desenvolvimento. Apesar de suportar bem o calor, não deve ser cultivada em locais que ultrapassem os 34°C.  

Além disso, existem muitos tipos de pimenta e algumas apresentam certas particularidades. A Jalapeño, por exemplo, precisa de umidade, já a Habenero pode ser cultivada em climas secos.

Vale lembrar, também, que ter hortaliças em casa vai além do sabor. Dependendo da forma como você monta a horta, ela pode até se transformar em um elemento de decoração e ainda pode aromatizar o ambiente.

 CTA temperos

5 opções de temperos naturais para comida

Como as hortaliças aromáticas são mais comuns na cozinha do brasileiro, resolvemos trazer 5 especiarias incríveis para te ajudar a inovar na cozinha. E no final dessa lista tem um vídeo-dica especial de como utilizar esses temperos e deixar seus pratos mais aromáticos.

  1. Cravo

cravo

O cravo, também chamado de cravo-da-Índia, é uma especiaria de sabor forte e aroma pronunciado. É muito empregado na culinária, na perfumaria e de forma medicinal. Também é usualmente utilizado em doces (como o beijinho tradicional) e no preparo de carnes brancas (como o tender).

Em relação à aspectos nutricionais, segundo o Padrão de 

Referência Nacional da Base de Dados de Nutrientes (USDA), o cravo moído possui em sua composição cálcio, ferro, potássio e vitaminas A, E e K.

Entretanto, devemos avaliar que, como a quantidade que utilizamos de especiarias nos preparos é muito pequena, as quantidades desses nutrientes também serão muito baixas. Em uma colher de chá de cravo moído, por exemplo, encontramos apenas 13 mg de cálcio.

  1. Açafrão-da-terra

Açafrão

Também conhecido como cúrcuma, o açafrão-da-terra é um pozinho amarelo muito utilizado no arroz, caldos de carne, frango ou legumes. Seu sabor é suave e a coloração é forte.

De acordo com o USDA, o açafrão possui em sua composição minerais como o potássio. Assim como no cravo, a quantidade dos nutrientes em uma colher de chá é pequena.

  1. Páprica

Páprica

A páprica é derivada do pimentão defumado e se destaca pela coloração avermelhada. Pode ser encontrada em duas versões: a doce e a picante. A doce é utilizada com peixes, carnes, batatas e frutos do mar. A picante pode ser utilizada nos mesmos preparos, mas dá uma leve apimentada.

Segundo a USDA, o mineral presente em maior quantidade na páprica é o potássio (52 mg em uma colher de chá do condimento). Em relação às vitaminas, a maior concentração é de vitamina A.

  1. Canela

Canela

A canela é feita de uma casca de árvore e tem um aroma forte e muito característico. Utilizada em doces (como o arroz doce), pode dar um toque todo especial em preparações salgadas (como o picadinho de carne ou a cenoura assada, por exemplo). Também comum em preparações de inverno, a canela também é utilizada em bebidas, como vinho quente e quentão.]


SAIBA MAIS

Benefícios do pinhão, delícia de época que invade cardápio do inverno


A canela em pó apresenta boa quantidade de fibra alimentar. Se considerarmos 100 gramas do alimento, teremos 53,1 gramas de fibra, ou seja, mais do que o dobro da recomendação diária (25 gramas). Contudo, não é comum ingerir essa quantidade do condimento. Na medida caseira (uma colher de chá), encontramos 1,4 gramas de fibra alimentar.

  1. Noz-moscada

Noz moscada

Semente da fruta de uma árvore, é aproveitada principalmente em molhos ou qualquer receita que utilize derivados do leite. O ideal é ralar a semente na hora, para que o sabor seja mais acentuado. Para usar de forma diferente, experimente no chocolate quente.

Assim como a canela, a noz-moscada moída também apresenta boa quantidade de fibra alimentar (a cada 100 gramas, temos 20,8 g do nutriente). Da mesma forma, ao avaliarmos a medida caseira (uma colher de chá), esse número fica bem menos expressivo: 0,5 gramas.

 

Aqui está o vídeo e fica uma sugestão de como utilizar esses temperos com esse vídeo simples, rápido e muito prático, para incrementar bastante o preparo das suas refeições:

E se você ainda quer se aprofundar mais nos temperos naturais, segue outro vídeo. Agora com a Chef Rita Lobo:

Quando utilizar algum desses temperos em suas receitas, poste e marque a @saberhortifruti nas redes sociais.

Você já ouviu falar em flores comestíveis? Saiba mais sobre o assunto com o nosso texto exclusivo!

 

Conteúdo atualizado em 28/07/2021

 

 

Principais fontes:

Carneiro H., Comida e Sociedade: uma História da Alimentação. Elselvier, 2003.

Rodrigues R. S. e Silva R. R., A História sob o Olhar da Química: As Especiarias e sua Importância na Alimentação Humana. Química Nova na Escola, 2010.

Stobart, T., Ervas, temperos e condimentos: De A a Z. Editora Schwarcz – Companhia das Letras, 2018.

USDA Food Composition Databases (versão 25) disponível em: http://tabnut.dis.epm.br/

Segurança alimentar

Segurança Alimentar: garantia de acesso a alimentos seguros e saudáveis

Notícia

Muita gente não sabe, mas segurança alimentar, além de ter alimentos seguros, é também assegurar acesso constante a seus nutrientes ...

Proteína Vegetal

5 fontes de proteína vegetal

Notícia

Muitas dietas restringem o consumo de produtos de origem animal, como é o caso dos adeptos ao veganismo e ao vegetarianismo. Entretanto, deixar de comer carne é algo que precisa ser feito com planejamento ...

Tempero verde

Tempero verde – cheiro de sabor e saúde

Notícia

Você conhece o tempero verde? Saiba mais sobre essa mistura de ervas que dá um toque especial a suas preparações ...